Cafeicultura familiar e as boas práticas agrícolas em Bom Sucesso – MG

Jaqueline Nicole Santos Peixoto, Márcio Nunes, Danielle Pereira Baliza, Sérgio Parreiras Pereira, Beatriz Terezinha Rosa

Resumo


Objetivou-se, neste estudo, analisar a cafeicultura familiar do município de Bom Sucesso - MG, em relação à adoção das Boas Práticas Agrícolas, por meio das análises de Cluster e discriminante. Foi realizado o reconhecimento da situação atual da cafeicultura familiar do município, através da aplicação de questionários estruturados do tipo Survey, nas propriedades rurais. Aplicou-se o questionário para um total de 26 cafeicultores familiares associados à Associação Comunitária do Machado e à Associação Nossa Senhora da Badia. Após a aplicação dos questionários, os resultados foram tabulados e foi realizada a análise estatística multivariada de Cluster e, posteriormente a análise discriminante. A análise de Cluster tem como objetivo agrupar os indivíduos (casos) com características semelhantes em função de um conjunto de variáveis selecionadas que separaram, neste caso, os produtores em dois grupos distintos. Já a análise discriminante apresentou as sete variáveis que mais discriminam um grupo do outro, apresentando assim as principais diferenças entre eles. Os produtores do Grupo 1 apresentam características de maior organização diante do Grupo 2, em relação à adoção das Boas Práticas Agrícolas. No entanto, tanto os cafeicultores/propriedades do Grupo 1 quanto do Grupo 2 apresentam pontos que podem ser melhorados, o que justifica o planejamento de ações e políticas de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER), para cada um dos grupos. Dessa forma, espera-se que este estudo auxilie na tomada de decisão tanto por parte do poder público local quanto dos cafeicultores familiares e associações, a fim de que esta atividade alcance maior sustentabilidade no município.

Palavras-chave


Sustentabilidade; assistência técnica; análise de Cluster; certificação

Texto completo:

PDF

Referências


ANGÉLICO, C. L. et al. Diferentes estádios de maturação e tempos de ensacamento sobre a qualidade do café. Coffee Science, Lavras, v. 6, n. 1, p. 8-19, jan./abr. 2011.

BORÉM, F. M. Pós-colheita do café. 1. ed. Lavras: UFLA, 2008. 631 p.

BOREM, F. M. et al. Qualidade do café natural e despolpado após secagem em terreiro e com altas temperaturas. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 32, n. 5, p. 1609-1615, set./out. 2008.

BOZZA, A. et al. Isolamento de fungos associados a grãos de café cv. Iapar 59 de origem de solo e árvore em diferentes tempos de colheita. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 29, n. 3, p. 529 – 534, jul./set. 2009.

CAMPOS, R. S. da et al. Fungos micotoxigênicos e ocratoxina em cafés com permanência prolongada na planta e no solo, colhidos nas regiões do cerrado mineiro e baiano. Coffee Science, Lavras, v. 4, n. 2, p. 136 – 148, jul./dez. 2009.

COELHO, K. F. et al. Fatores que afetam a qualidade do café. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 18, n. 187, p. 5 -20, 1997.

CORADI, P.C.; BORÉM, F.M.; OLIVEIRA, J.A. Efeito das condições de secagem e armazenamento sobre a qualidade do café natural e despolpado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 12, n. 2, p. 181 – 188, jan. 2008.

CRUZ, A. G. da; CENCI, S. A.; MAIA, M. C. A. Good agricultural practices in a Brazilian produce plant. Food Control, Guildford, v. 17, n. 10, p. 781-788, oct. 2006.

DONOVAN, J.; POOLE, N. Changing asset endowments and smallholder participation in higher value markets: evidence from certified coffee producers in Nicaragua. Food Policy, Guildford, v. 44, n. 1, p. 1-13, feb. 2014.

FAVARIN, J.L. et al. Qualidade da bebida de café de frutos cereja submetidos a diferentes manejos pós-colheita. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 39, n. 2, p. 187 – 192, fev. 2004.

GRÜTZMACHER, D. D. et al. Monitoramento de agrotóxicos em dois mananciais hídricos no sul do Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 12, n. 6, p. 632-637, nov. /dez. 2008.

HAIR JUNIOR, J.F. et al. Multivariate data analysis. 4 ed. New Jersey: Prentice Hall, 1995, 745 p.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário 2006. Disponível em: . Acesso em: 14 mai. 2015.

KOOKANA, R. S.; BASKARAN, S.; NAIDU, R. Pesticide fate and behaviour in Australian soils in relation to contamination and management of soil and water: a review. Australian Journal of Soil Research, Melbourne, v. 36, n. 5, p. 715 - 764, 1998.

LADEIRA, W. J.; MAEHLER, A. E.; NASCIMENTO, L. F. M. Logística Reversa de Defensivos Agrícolas: fatores que influenciam na consciência ambiental de agricultores gaúchos e mineiros. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba, v. 50, n. 1, p. 157 – 174, jan./mar. 2012.

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 720 p.

NASSER, M. D., SILVEIRA, J. M. C., ZONTA, A. Panorama socioeconômico e produtivo da cafeicultura familiar na região de Franca/SP. Revista Mirante, Anápolis, v. 7, n. 1, p. 100-110, jun. 2014.

PEREIRA, S. P. Caracterização de propriedades cafeeiras com relação às boas práticas agrícolas: aplicação das análises de “Cluster” e discriminante. 2013. 138 p. Tese (Doutorado em Fitotecnia) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2013.

PEREIRA, S. P. et al. Separação em clusters de propriedades rurais, em relação às boas práticas agrícolas no cultivo do cafeeiro. Coffee Science, Lavras, v. 9, n. 2, p. 216 – 225 abr./jun. 2014.

SOUZA, S. M. C. et al. Avaliação do grau de conformidade visando à inserção dos cafeicultores na certificação e comércio justo (fair trade). Coffee Science, Lavras, v. 8, n. 4, p. 510 – 518 out./dez. 2013.

ZAMBOLIM, L. Características rastreáveis do manejo integrado de doenças do cafeeiro. In: ____. Rastreabilidade para a cadeia produtiva do café. Viçosa: UFV, 2007. p. 85 – 128.




DOI: http://dx.doi.org/10.25186/cs.v12i3.1298

Apontamentos

  • Não há apontamentos.